quarta-feira, 20 de julho de 2011

A culpa é nossa.

"Necessitamos de uma mentira dignamente perfeita. Algo ilusório para crermos enquanto nossos castelos desabam. Eu sei, é fácil sorrir quando nos sentimos ligeiramente sufocados. Eu sei, é fácil mentir enquanto conseguirmos mentir não ver. Então, com os lábios salgados eu gritarei por socorro e o teu nome ecoará em meu coração. E eu me torno uma passagem. Olhando para trás eu percebo: tudo o que perdi e tudo o que eu pude ser não passou de insuficiente pra você. Fui quem sou, e quem não podia ser para tentar viver, em um mundo onde quem eu sou odeia quem eu me tornei. Como devemos nos sentir quando cavamos nossa propria cova? Olhando pra mim, vejo a conquista de um rosto calejado e o gosto do asfalto memorizado no meu paladar. Necessitamos de uma mentira dignamente perfeita, e quem sabe por trás dela, nos tornamos quem nós deveriamos ser. E assim, enquanto o mundo se faz de surdo, eu finjo falar sozinho".

(Trecho de uma música da @Lasivia.)

quarta-feira, 13 de julho de 2011

In me.


Have faith in me, cause there are things that I've seen I don't believe. So cling to what you know, and never let go. You should know things aren't always what they seem!
I said I'd never let you go, AND I NEVER DID. I said I'd never let you fall, and I ALWAYS MEANT IT! If you didn't have this chance then I never did. You'll always find me right there, again.
I've gone crazy, cause there are things in the streets I don't believe. So we'll pretend it's alright and stay in for the night, what a world, I'll keep you safe here with me!
They've got me on the outside, looking in! But I can't see at all. With the weight of the world on my shoulders, they just wanna see me fall.

Have faith in me

I said I'd never let you go, and I NEVER DID!

terça-feira, 12 de julho de 2011

Oil And Water,

ou eu ou você. Os dois juntos não se misturam!

Já o notei e também já estou começando a entender que ele está tentando manter contato comigo de novo. Não sei se algum dia ele foi embora, mas ele voltou. Ou então, sei lá, adquiriu por aqui a posição - sem minha autorização - de sétimo sentido, talvez. E, sim, cada vez mais confuso. E sim, isso não me surpreende.
Olhos fitando o espelho, mas sem mirar no rosto, e sim nos detalhes do que eu já consigo enxergar em algum lugar de mim. É assim, ele. Confesso que a primeira coisa que eu fiz foi bolar milhares de planos, um mais cretino que o outro, de como combatê-lo sem ele se magoar ou se ferir. Eu sei que preciso dele, mas querer é outra coisa bem distante.
Meus diálogos com ele são sempre os mesmos: "Me diz o motivo de você aparecer quando não é convidado?" E ele responde sempre a mesma coisa: "Foi você quem me procurou. O meu trabalho só é fazer com que você me sinta".
Mesmo eu sabendo dos seus defeitos, e conhecendo seu ponto fraco, não consigo fazer com que o sinta um fracassado. E o que me deixa mais indignada, é que suas limitações não são incuráveis. E é nisso que as pessoas dizem que acreditam. Ele não tem interesse em se tratar. Curar. Não tem. A graça dele é ser exatamente como ele é. E é nisso que as pessoas não querem acreditar, e quando caem em si, já estão presas em algo que não sabem nem o nome.

Ele não vai mudar. O amor nunca vai mudar.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

August Rush


A: Você sabe o que está lá fora? Uma sequencia de tons mais altos feitos pela natureza. É governada pelas leis da física de todo o universo. Um som harmônico, uma energia, um comprimento de onda. E se você não esconde, bom Deus, nunca escutará!
B: De onde você acha que vem o que eu ouço?
A: Você acha que vem de tudo ao seu redor, sério. Digo, é... Vem através de nós, alguns de nós. É invisível, mas... Mas você a sente.
B: Então, só alguns de nós podem ouvi-la?
A: Somente alguns de nós estão ouvindo!
B: Você acha que meus pais estão ouvindo?

"A música está em tudo ao nosso redor. Tudo que você tem a fazer é ouvir!"